Criminalidade retrocede no RS, mas estado de alerta continua

latrocinio

Dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul na segunda-feira (15) mostram que a maioria dos índices criminais que são acompanhados diminuiu em 2017 na comparação com 2016. São 20 no total, e 16 tiveram redução.

A maior queda foi no índice de roubo a usuários do transporte coletivo: 34,6%. Foram 1.042 registros em 2016 contra 681 em 2017.

Dos crimes que mais preocupam a população, os latrocínio (roubo seguido de morte), registraram queda de 26,2% de um ano para o outro: 168 casos em 2016 e 124 em 2017.

Já os homicídios dolosos caíram 1,5%. Foram 2.646 registros contra 2.606. O total de vítimas, no entanto, aumentou 0,3%, sendo 2.856 em 2016 e 2.865 em 2017.

Por outro lado, os roubos de veículo subiram, de 17.634 para 17.886 no período, uma alta de 1,4%.

Entre os índices que sofreram aumento, o que mais cresceu foi o de estupro de mulheres, que inclui estupro de vulnerável na contagem. Foram registrados 1.574 casos em 2016 e 1.661 em 2017, ou seja, uma elevação de 5,5%.

“Os números absolutos ainda são altos, mas as ações que viemos empreendendo vêm dando resultado”, destacou o secretário de Segurança Pública do estado, Cezar Shirmer.

Porto Alegre tem mais crimes contra a mulher, mas menos latrocínios e homicídios

Em Porto Alegre, a maioria dos indicadores também teve queda. Dos 20 itens, 11 apresentaram redução.

A exemplo do que foi verificado no estado, os crimes de latrocínios também baixaram. As ocorrências passaram de 39 para 12 no período, uma queda de 69,2%. Conforme a SSP, nenhuma ocorrência de roubo seguido de morte foi registrada entre outubro e dezembro.

Os homicídios dolosos também tiveram redução. Foram registrados 718 casos em 2016 e 574 no ano passado. Segundo a SSP, o índice representa uma redução de 20,1%.

Já estupros de mulher, além de lesão corporal contra elas, subiram 10,6% e 11,6% respectivamente. Foram 23 e 376 casos a mais em 2017 contra 2016.

E apesar de o furto de veículos ter caído 15,3%, o roubo subiu 3,7% na capital gaúcha. Ao todo, foram 8.127 registros em 2016 e 8.430 em 2017, mais de 300 casos acima.

Dados consolidados do Rio Grande do Sul
Aumento

Estupro de mulheres: 1.574 em 2016, 1.661 em 2017 (5,5%)
Entorpecentes – tráfico: 8.850 em 2016, 9.215 em 2017 (4,1%)
Roubo de veículo: 17.634 em 2016, 17.886 em 2017 (1,4%)
Lesão corporal contra mulheres: 22.667 em 2016, 22.960 em 2017 (1,3%)

Redução

Homicídio doloso: 2.646 em 2016, 2.606 em 2017 (-1,5%)
Latrocínio: 168 em 2016, 124 em 2017 (-26,2%)
Furtos: 161.155 em 2016, 144.192 em 2017 (-10,5%)
Abigeato: 10.451 em 2016, 7.783 em 2017 (-25,5%)
Furto de veículo: 19.560 em 2016, 16.893 em 2017 (-13,6%)
Roubos: 88.569 em 2016, 87.120 em 2017 (-1,6)
Estelionato: 17.952 em 2016, 17.580 em 2017 (-2,1%)
Furto de bancos: 204 em 2016, 146 em 2017 (-28,4%)
Roubo de bancos: 76 em 2016, 62 em 2017 (-18,4%)
Furto de comércio: 7.419 em 2016, 6.958 em 2017 (-6,2)
Roubo de comércio: 7.446 em 2016, 5.978 em 2017 (-19,7%)
Roubo de usuários de transporte coletivo: 1.042 em 2016, 681 em 2017 (-34,6%)
Roubo de profissionais de transporte coletivo: 5.176 em 2016, 3.727 em 2017 (-28%)
Ameaça contra mulheres: 39.606 em 2016, 37.946 em 2017 (-4,2%)
Delitos relacionados a armas e munições: 7.818 em 2016, 6.868 em 2017 (-12,2%)
Entorpecentes – posse: 10.550 em 2016, 10.270 em 2017 (-2,7%)

Fonte: G1

Imagem: SSP